Armando Pinho

© PHOTOS, VIDEOS & DESIGN BY PLAY BLEU

ARMANDO PINHO

16

ANO

Período: 12/06 - 17/06

Apresentação: 17 Junho às 19:00

Local: Arte Total

2016

O abandono é um estado, uma condição, um lugar. Há lugares abandonados, lugares de abandono, lugares do abandono. Todos os lugares do abandono são feridas que calam e falam, ocultam histórias e denunciam mistérios, inaugurando túneis e pontes com outros espaços e tempos. As fendas intrigam e seduzem com seus enigmas, da mesma for que é irresistível espreitar por uma frincha que liga um exterior e um interior.
Procuro lugares do abandono que me impelem a indagar, a cavar mais fundo. Perante a fenda ferida, suturo ou abro mais, rasgando? I dig holes, I dig graves. Cavando por demanda e por esquecimento, acho indícios e vestígios ou enterro segredos e tesouros. Sit Tibi Terra Levis - que a terra te seja leve. E abandono-me no fascínio da ferida, até que o brilho da sua beleza me cegue e a negritude do seu abismo me engula.
O fascínio da ferida do abandono é o fascínio da existência. E o “L’être abandonnée” de Jean-Luc Nancy vem ao meu encontro, recordando que o abandono é condição de existência e do seu pensamento. Nós nascemos no abandono, somos definidos e destinados pelo abandono. Sempre o soubemos, de resto, tal como o souberam Hegel, Nietzsche, Beckett. Prometeu foi abandonado por ter roubado e partilhado sabedoria; Édipo e Moisés são filhos do abandono; Cristo revelou a origem da sua existência no abandono: Eli, Eli, lama sabactáni.
Amor e abandono estão por isso interligados. Se só o amor abandona, será então na possibilidade do abandono que se conhece a do amor: “La seule loi de l’abandon, comme celle de l’amour, c’est d’etre sans retour et sans recours.”
Mas preciso lembrar-me ainda dos acrescentos de Giorgio Agamben sobre o abandono: o abandonado, aquele que é posto à margem, que está fora da lei, fora da normalidade é, ao mesmo tempo, o que está livre, o libertado. Os lugares do abandono são, por isso, lugares de desvio, contradição e destabilização, que confundem realidade e ilusão, matéria e potência. O abandonado deve, enfim, entregar-se à sua própria voz e ao devir do acontecimento.
And I just keep digging.

GUELRA

ARMANDO PINHO

Produção  ARTE TOTAL

Supervisão Artística: Cristina Mendanha  
Concepção de Vídeo e Imagem: Play Bleu  
Consultoria de movimento: David Ramalho  
Apoio dramatúrgico e consultoria: Sandra Andrade  
Assistência de produção: Monique Augusto e Emília Correia  
Agradecimento: Sr. Aníbal Afonso (cedência de espaço para o vídeo)

Portugal - Braga Julho 2016

GUELRA

ARMANDO PINHO

Produção  ARTE TOTAL

Supervisão Artística: Cristina Mendanha  
Concepção de Vídeo e Imagem: Play Bleu  
Consultoria de movimento: David Ramalho  
Apoio dramatúrgico e consultoria: Sandra Andrade  
Assistência de produção: Monique Augusto e Emília Correia  
Agradecimento: Sr. Aníbal Afonso (cedência de espaço para o vídeo)

Portugal - Braga Julho 2016

ARMANDO PINHO
ARMANDO PINHO

Guelra

press to zoom
ARMANDO PINHO
ARMANDO PINHO

Guelra

press to zoom
ARMANDO PINHO
ARMANDO PINHO

Guelra

press to zoom
ARMANDO PINHO
ARMANDO PINHO

Guelra

press to zoom
ARMANDO PINHO
ARMANDO PINHO

Guelra

press to zoom
ARMANDO PINHO
ARMANDO PINHO

Guelra

press to zoom
ARMANDO PINHO
ARMANDO PINHO

Guelra

press to zoom
ARMANDO PINHO
ARMANDO PINHO

Guelra

press to zoom
ARMANDO PINHO
ARMANDO PINHO

Guelra

press to zoom

Fotografia Play Bleu