João Foldenfjord

© PHOTOS, VIDEOS & DESIGN BY PLAY BLEU

JOÃO CATALÃO

17

ANO

Período: 24/04 - 29/04

Apresentação: 29 Abrilo às 17:30

Local: Biblioteca Pública de Braga

2017

João Foldenfjord

João Acciaiuoli Catalão [João Foldenfjord] é artista, curador e programador cultural. Nasceu em Coimbra em 1961 e é licenciado em Gestão de Empresas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde frequentou ainda a licenciatura em Biologia e a Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Viveu no Lobito e trabalhou na área de Estudos de Mercado no Brasil, Londres e Lisboa. Iniciou um projecto artístico pessoal a partir do Museu dos Biscainhos quando regressou a Braga em 2001. Organiza e participa desde então em diversos projectos artísticos e culturais. Colaborou, entre outros, com as Ideias Emergentes no Porto, Universidade do Minho, Galeria Show me, Civitas Braga, Centésima Página, Sindicato de Poesia, Esad, GNRation, Mapa Use It Braga e Escola de Dança Arte Total. Faz parte da direcção artística da Guelra – Laboratório de Transcriação Coreográfica. Foi entre Dezembro de 2009 e Setembro de 2012 programador e designer da Clarabóia – Agenda Cultural da Casa do Professor. O seu percurso e acervo artísticos, com múltiplos conceitos e interligações narrativas e ênfase nas dimensões éticas, poéticas e coreográficas, constitui no presente a base de desenvolvimento do projecto Escola de Navios – Lindves Homing Museum.

A Guelra – Laboratório de Transcriação Coreográfica, é um laboratório transdisciplinar desenvolvido pela Arte Total desde 2012. Funciona como residência artística que culmina com uma apresentação pública final. O projecto é apoiado pelo Ministério da Cultura, através do programa de apoio quadrienal da DGArtes à estrutura Arte Total. Esta edição realiza-se na Galeria do Salão Medieval na Largo do Paço em parceria com o Conselho Cultural da Universidade do Minho

GUELRA

JOÃO CATALÃO

Produção  ARTE TOTAL

Realização João Catalão & Play Bleu

Narração e Preformance João Catalão

Edição e Montagem Play Bleu & João Catalão

Interpretes Guelra Gabriela Barros & David Ramalho

Música Carlos Fortes

Gravação de Voz Márcio Décio

Direcção Artística Cristina Mendanha

Agradecimentos Museu dos Biscainhos | Conselho Cultural da Universidade do Minho | Mosteiro de São Martinho de Tibães | Biblioteca Pública de Braga | Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa | Museu Nogueira da Silva | Livraria Centésima Página | GNRation | Casa do Professor

Portugal - Braga 2017

No conjunto de edifícios de diferentes épocas que compõem o antigo Paço Arquiepiscopal funcionam actualmente, além da Reitoria e de alguns serviços da Universidade, a Biblioteca Pública e o Arquivo Distrital de Braga. É um lugar complexo de memória e entrelaçamento. A acumulação de sedimentos colectivos e históricos constitui um campo privilegiado de ressurgência da cidade. Dos seus ritmos, projecções e interligações invisíveis no passado e no presente. Os invisíveis são vozes que dançam. Nos anos cinquenta o Diário do Minho editava uma coluna denominada “movimento de navios”. No dia 29 de abril de 1950 o jornal exibia na capa a fotografia do basquetebolista americano de origem croata George Mikan com a mulher e o filho recém-nascido. Encontrei a imagem tipográfica original no jardim da livraria Centésima Página. O mesmo jornal noticiou em 1950 que um navio norueguês tinha embarcado em Lisboa 3 milhões de pés de oliveiras para o México. Em 1993 a Biblioteca Pública organizou um ciclo de conferências sobre arqueologia a que chamou “do fundo dos mares ao alto das montanhas”. É essa dimensão poética da respiração e do movimento que esta guelra muito subjectivamente retoma. Do alto das montanhas ao fundo dos mares. A inversão de sentido tem um significado de retorno. A luz emitida pelos objectos que se aproximam sofre um desvio para o azul. A luz emitida pelos objectos que se afastam sofre um desvio para o vermelho. O azul foi a cor das anilhas dos pombos-correios no ano passado. O vermelho é a cor das anilhas este ano. “O livro dos olhos e das águas” é um livro de baptismo imaginário. Invoco aqui um livro imaginário para falar dos navios que se movem em terra firme. Para mim é uma forma de coreografia de um não coreógrafo.

 

 

João Catalão | Fevereiro 2017

João Catalão
João Catalão

2017

press to zoom
João Catalão
João Catalão

2017

press to zoom
João Catalão
João Catalão

2017

press to zoom
João Catalão
João Catalão

2017

press to zoom
João Catalão
João Catalão

2017

press to zoom
João Catalão
João Catalão

2017

press to zoom
João Catalão
João Catalão

2017

press to zoom
João Catalão
João Catalão

2017

press to zoom
João Catalão
João Catalão

2017

press to zoom

Fotografia Play Bleu